Tipos de para-raios: quais os principais, seus componentes e como funcionam?

3 minutos para ler
Tempo de leitura: 3 min

Com a finalidade de evitar que casas e estabelecimentos em geral sejam atingidos diretamente por descargas elétricas, diversos tipos de para-raios estão disponíveis no mercado de todo país. Embora apresentem o mesmo objetivo, a escolha do modelo ideal faz diferença.

No Brasil, a queda de raios não é algo incomum. Constantemente, assistimos a matérias em telejornais sobre pessoas e locais que foram atingidos por descargas elétricas. Por isso, tratando-se de segurança, não vale a pena arriscar.

Para tirar quaisquer dúvidas sobre o funcionamento, os componentes e a instalação do equipamento, apresentaremos, neste artigo, um detalhamento sobre os principais tipos de para-raio. Continue a leitura e saiba mais!

Quais são os principais tipos de para-raios existentes no mercado?

Existem inúmeros tipos de para-raios no mundo. Atualmente, no Brasil, são utilizados dois modelos: o de Franklin e o de Melsens. Todavia, no passado, o modelo radioativo também se apresentava à disposição. A seguir, vamos entender melhor cada um.

Para-raios de Franklin 

É o modelo mais comum no país e também o que apresenta maior eficácia. Em sua configuração, conta com uma haste de metal, um cabo de condução e captadores. O cabo segue do para-raios até o solo, dissipando a energia no aterramento.

Para-raios de Melsens

O modelo de Melsens adota a gaiola de Faraday. Basicamente, o local é envolvido por uma espécie de armadura de metal, enquanto são colocados fios metálicos de 50 cm no telhado. Nesse caso, as hastes são as responsáveis por receber e repassar a descarga elétrica.

Para-raios Radioativos

O modelo radioativo apresentava captadores no formato de disco e utilizava o radioisótopo Américo-241 na fabricação — material altamente radioativo. Entre os anos 70 e 80, foi um equipamento bastante utilizado no Brasil, pois havia uma ideia de que era um modelo muito mais eficiente que os outros.

Porém, por meio de estudos, foi comprovado que o material não apresentava nenhuma superioridade em relação aos demais. Por isso, em 1989, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) suspendeu a produção e a venda do equipamento.

Como funciona a instalação de um para-raios?

A instalação do para-raios não é algo de alta complexidade, mas exige alguns conhecimentos básicos. Por isso, no Brasil, é preciso seguir as normas técnicas encontradas na ABNT 5419/2015 a fim de garantir segurança durante todo o processo.

Também é importante ter consciência de que os para-raios não protegem alguns equipamentos eletrônicos dos efeitos de uma descarga elétrica, como portões automáticos, geladeiras e elevadores.

Além disso, para que tudo ocorra dentro do esperado, é vital avaliar alguns fatores antes de iniciar a instalação na prática:

  • dimensão do local onde o para-raios será instalado; 

  • material de construção utilizado;

  • índice ceraúnico do município;

  • espaço disponível.

Em um país tropical como o Brasil, com alta incidência de descargas elétricas, conhecer os tipos de para-raios é essencial para assegurar a eficiência necessária. Porém, por se tratar de um equipamento que demanda noções mais técnicas, é importante contar com especialistas na hora de escolher o melhor modelo, bem como no momento da instalação. 

Gostou deste artigo? Assine a nossa newsletter para receber todas as nossas novidades por e-mail!

 

Rock Content

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Share This
Scroll Up